Multiplicar centros, encurtar distâncias, promover convívio

Aprovação de previsões legais para a elaboração e monitoramento público de planos de metas para cada gestão governamental e efetivação do cumprimento delas nos municípios em que já existam, como no caso da capital. Criação de portais públicos de transparência para a apresentação das metas e de prestações de contas regulares do seu cumprimento, combinando-se com a ampliação dos meios para a participação social na elaboração e atualização regular das metas e no seu desdobramento local em cada município.

Novos modos de circulação para um novo horizonte de bem-estar na cidade

Estabelecimento de metas mínimas comuns para a redução da pobreza, o rendimento escolar, o acesso a serviços de saúde e fomento à cultura, esporte e lazer no espaço metropolitano, e criação de um fundo para a destinação de recursos aos municípios segundo as prioridades identificadas em relação à situação de cada um diante dessas metas.

Cidade sem fronteiras, feita para todos

Consolidação da Câmara Metropolitana de Integração Governamental do Rio de Janeiro, como espaço para a elaboração e implantação do Plano Diretor, mobilizando a participação da sociedade em todas as etapas e promovendo a articulação necessária entre políticas de desenvolvimento econômico e social, infraestrutura, mobilidade, habitação e meio-ambiente, com vistas a descentralizar oportunidades, reduzir deslocamentos e favorecer a qualidade de vida de maneira universal em toda a metrópole.

Reduzir as mortes violentas, onde acontecem

Definição da proteção da vida como prioridade das políticas de segurança pública, direcionando recursos e esforços para a região onde mais vidas são perdidas para a violência no Rio hoje. Garantia dos meios necessários para o funcionamento pleno da Divisão de Homicídios na região, ampliação e qualificação do policiamento, criação de programa de ações preventivas nas áreas mais atingidas e adoção de meios permanentes de controle e participação social nos serviços de segurança pública na região.

Refazer o centro vital e urbano da metrópole

Revisão de prioridades nos investimentos em transportes no Rio, para valorizar a principal rede de transporte de massa já instalada e com maior volume de usuários na metrópole, articulando os investimentos nas demais redes – metrô, BRTs, barcas, ônibus, bicicletas etc. – a partir deste eixo primordial.

Cidade das águas, bela e transparente além da superfície

Apenas 1/3 da população da metrópole tem seus domicílios conectados à rede de coleta e tratamento de esgoto. Em Japeri, Nilópolis e Queimados não há nenhum tipo de infraestrutura de esgotamento sanitário em funcionamento. O acesso universal e gestão eficiente das águas inclui-se em qualquer lista dos maiores desafios globais para este século, simbolizando de… Ver artigo

Espaço aberto de cultura, esporte, natureza e encontro

Cidades são feitas de pessoas, e precisam ser, antes de tudo, plataformas de fruição e encontro para elas. São criações sobre espaços naturais, e realizam-se pela habilidade de estabelecer relações saudáveis e positivas com eles. Sede da maior floresta urbana do mundo, a cidade metropolitana do Rio possui cerca de 90 mil hectares de áreas… Ver artigo

Realizar a vocação para o mercado contemporâneo

Saúde, qualidade de vida, sustentabilidade são mais do que chamados para um novo padrão de vida no nosso tempo. São marcos de diretrizes para o desenvolvimento e competitividade econômicos, definindo atores, locais e regiões vocacionados para a inovação. Nos municípios de Japeri, Guapimirim, Magé, Belford Roxo e Paracambi, há capacidade de oferecer trabalho com carteira… Ver artigo

Governos abertos, planejamento consequente, controle público

Os desafios da vida pública no Rio são bem conhecidos. Centralização decisória, fragmentação institucional, debilidades técnicas e gerenciais, aversão à transparência, patrimonialismo e corrupção. Seus custos profundos e persistentes para as possibilidades de conquistas coletivas na cidade são também sempre crescentemente evidentes. Mais que formular e sustentar políticas para a qualificação da agenda governamental, é decisivo… Ver artigo

Cidade de todos e democracia do séc. XXI

Democracia é eleições livres, distribuição institucional de poderes e gestão pública republicana, mas é também a prática regular do diálogo e negociação plurais como fundamentos da qualidade das decisões, políticas e ações públicas cotidianas. Sem isso, não pode haver democracia completa nem efetiva, com a prática governamental cotidiana sendo justamente minada pela baixa legitimidade, a… Ver artigo