Grandes metrópoles são organismos complexos, dinâmicos, com o desafio de prover bem-estar e eficiência para milhões de pessoas. Nisso, o Rio partilha a condição com outros polos urbanos do mundo, e as oportunidades para acumular aprendizados e criar soluções inovadoras no cotidiano.

Até 2014, 37% dos domicílios da RMRJ não tinham acesso à internet.

Se a gestão qualificada de informações e o estímulo eficaz à colaboração dos cidadãos inserem-se necessariamente entre os atributos da boa gestão pública e urbana, a disseminação de tecnologias digitais multiplica de forma única seu potencial, abrindo caminho para uma nova era de solução de problemas nas grandes cidades. Sistemas públicos de informações geradas em tempo real por órgãos diversos, agentes privados e cidadãos interconectados em todo o espaço urbano permitem a leitura e acompanhamento sem precedentes do funcionamento da cidade. Ambientes de análise contínua delas produzem insumos múltiplos para o aprimoramento da gestão, com respostas imediatas – do trânsito ao sistema de mobilidade, do meio-ambiente às políticas sociais, da saúde à segurança. E a criação livre de aplicativos para seu uso alavanca as possibilidades de incremento da qualidade da vida e colaboração mútua nas várias dimensões da rotina dos indivíduos.

Um Rio contemporâneo, sintonizado com seu tempo e as possibilidades de fazer-se melhor, deve assim colocar sua vocação criativa na linha de frente da incorporação das novas tecnologias para a realização deste potencial. Ampliar as habilidades de ação em rede, para um tecido urbano comum.